Colunistas / Dra. Patrícia Rittes

Vermelhidão

Vermelhidão no rosto? Cuidado, pode não ser alergia

Terça-feira, 03 de Julho de 2012
Entenda a dermatite perioral, doença comum em mulheres
A A A
Vermelhidão no rosto? Cuidado, pode não ser alergia Stock.xchng

A dermatite perioral é uma inflamação de pele que começa em volta da boca e pode espalhar-se pelo queixo ou pelo rosto todo. Em geral, o primeiro sintoma é a vermelhidão que pode ser confundida com uma alergia ou com uma picada de inseta. Geralmente quando alguém identifica esta diferença a primeira reação é passar uma pomada antiinflamatória de corticóide. Este é mesmo o remédio mais indicado para tais casos, mas, de repente, a surpresa desagradável: em vez de sumir, o problema passa a aumentar. Surgem em seguida bolinhas (pápulas) que se enchem de pus (pústulas).

Embora não se saiba por quê, a doença é mais frequente nas mulheres sobretudo na segunda e na terceira décadas de vida, preferencialmente mulheres cuja família apresenta histórico de alergias. Cerca de 95% dos casos de dermatite perioral são desencadeados pelo uso de corticóide fluorado, isto é, que contém flúor na fórmula. Os restantes 5% podem ser causados por substâncias como cosméticos ou até por creme dental fluorado.

A dermatite perioral não coça, não dói nem arde. Parte dos pacientes reclama apenas de um leve aquecimento local sobretudo no fim do dia. Mas a doença incomoda muito. Como o rosto é o que se pode chamar de cartão de visitas pessoal, os pacientes, claro, se acham diminuídos e feios. Quem pode fica em casa, mantendo contato só com familiares e amigos mais íntimos. Quem não pode fazer isso, sobretudo em razão dos compromissos profissionais, e sai às ruas, é visto com desconfiança pelos outros, porque o aspecto é muito feio. Mesmo que o paciente garanta que não se trata de doença contagiosa, eles têm medo de chegar perto ou de cumprimentá-lo.

Pessoas que apresentem qualquer tipo de alergia, claro, devem consultar logo um dermatologista. A primeira providência do médico é suspender remédios e cosméticos que esteja usando para afastar possíveis causas do problema. O passo seguinte é conversar com o paciente para saber se usa ou usou medicamentos nos dias anteriores. Caso revele a utilização de pomada antiinflamatória de corticóide, está detectada a dermatite perioral. Mas a doença pode ser confundida com várias outras, como a rosácea (moléstia inflamatória da pele também mais comum em mulheres, mas que se diferencia por apresentar vasinhos avermelhados e nódulos). Nesse caso, o médico retira uma amostra de tecido no local da alergia e manda a um laboratório para biopsia. A análise celular permite detectar com precisão cada doença.

Dermatites periorais tendem a desaparecer quando a mulher não se utiliza mais do produto que as causam. Nas alergias mais intensas, em especial quando tomou conta das faces, às vezes leva oito a 12 semanas para sumir. O portador toma antibiótico -- o mais indicado é a tetraciclina -- para evitar que as bactérias proliferem. O dermatologista pode completar o tratamento com solução de Burrow: passada na pele, ajuda na cicatrização.

Pessoas que se tratam de dermatite perioral devem evitar o sol.


Médica Dermatologista, especialista em Dermatologia Cosmiátrica e Laser, graduada e pós-graduada pela Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, membro das Academias
Americana e Brasileira de Dermatologia, autora de diversas publicações científicas nacionais e internacionais, laureada com o prêmio “Who is Who”, autora do livro Beleza sem Cirurgia. www.prittes.com.br

Dra. Patrícia Rittes

Tags

Leia Também

veja mais
A Introspection desenvolve software de qualidade utilizando metodologia ágil